Sábado,
22 de novembro de 2014
Home
VAMOS COMER TV
RECEITAS
ESPECIAL HALLOWEEN
ESPECIAL DIA MUNDIAL DO MACARRÃO
GUIA DE RESTAURANTES
- Vamos Indica
Carnes
Doces
Massas
Naturais e Funcionais
» Vinhos e afins
Bares e Botecos
Cafés e Lanches
Cozinha Cultural
Delícias Exóticas
Lançamentos
Cursos e Empregos
 
Eliane Ogata Takio
4/8/2008
Luciana Ogata

Guioza
Muitas pessoas pensam que o guioza é um prato oriundo da gastronomia japonesa. Na verdade, o bolinho recheado com carnes variadas ou legumes, tem origem chinesa. Na China, o guioza é conhecido como "jiozi" e o ideograma da palavra, em chinês, representa meia-noite, simbolizando também a lua.

Segundo o docente da área de gastronomia do Centro Universitário Senac (Campus Águas de São Pedro) e especialista em cozinha asiática, Thompson Lee, o guioza nasceu na região norte da China. "Não se sabe precisar exatamente quem criou, mas hipóteses apontam para os chefs de cozinha da dinastia Han (206 a.C. - 220 d.C.). Foi nesse período onde apareceram os primeiros registros desta iguaria", revela.

Na China, a massa do guioza é feita com farinha de trigo, água e uma pequena quantidade de ovo. Os recheios variam entre verduras, legumes, carne suína e camarão. "Os chineses costumam prepará-lo no vapor ou cozido na água, mas eles também comem frito", afirma Lee.

O guioza costuma ser servido em banquetes, comemorações e festivais. "Um momento em que o guioza não pode faltar é durante a passagem de Ano Novo, pois para os chineses simboliza fartura", diz o docente.

E quais são as diferenças do guioza feito na China, no Japão e no Brasil? De acordo com o especialista em cozinha asiática, na China o guioza costuma ter uma massa mais grossa e é servido como prato principal. No Japão, a massa é mais fina, o recheio normalmente tem alho e cebolinha e é servido como acompanhamento ou entrada. No Brasil segue-se o estilo japonês.

Cozimento

De acordo com Wang Xue Hui, do Restaurante Hong Bin, é muito fácil de preparar o guioza à moda chinesa. "Ponha água na panela, espere ferver, em seguida coloque o bolinho. Tampe a panela, quando começar a ferver de novo, tire o bolinho, jogue água fria e espere ferver novamente. Os chineses, por exemplo, cozinham o guioza colocando água fria três vezes na panela. Da última vez, não é necessário tampar", explica.

A água utilizada no cozimento do guioza vira sopa para os chineses. "Depois que terminam de comer o bolinho, eles pegam a tigela e tomam a água. Já tem tudo. O chinês acredita que essa sopa ajuda na digestão", revela.

Fresquinho

No restaurante chinês Rong He, localizado no bairro da Liberdade, é possível degustar guiozas fresquinhos, feitos todos os dias e de forma artesanal. O bolinho pode ser pedido em 3 versões: grelhado, cozido ou no vapor. E os sabores disponíveis de recheio são: camarão, carne bovina, carne suína, frutos do mar, frango e vegetariano. "O recheio do vegetariano é composto de bambu, soja, cogumelos, repolho e cenoura. O recheio de frutos do mar leva peixe e camarão, o de frango é feito somente com o peito da ave e o de carne suína usa apenas pernil", diz o chef Yang Xiao Wei.

Todas as porções do restaurante vêm com 16 unidades e os preços variam de R$ 15 a R$ 18. É possível também pedir dois sabores de guioza numa única porção. "A procura é tanta que chegamos a vender, em média, 300 a 400 porções de guiozas por semana", finaliza Yang.
Serviço:

Senac - SP
Site: www.sp.senac.br
Tel: 0800-8832000

Hong Bin
Endereço: Rua Quisisana, 45, Saúde.
Tel (11) 5073-3732 / 5073-3993

Rong He Massa Chinesa
Endereço: Rua da Glória, 622-A, Liberdade.
Tel: (11) 3275-1986 / 3208-0529